Juliana Antunes – Estudante on-line


2º semestre

Foi dada a largada para o 2º semestre do Mestrado em Pedagogia do E-earning que estou a cursar na Universidade Aberta.

Um pouco atrasado este meu post, tendo em conta que as aulas recomeçaram no dia 04 de outubro, mas antes tarde que nunca…

Já devia ter começado a documentar as actividades das novas disciplinas, que são: Metodologia de Investigação em Contexto Online(Professora Alda Pereira), Concepção e Avaliação em E-learing ( Professora Lúcia Amante), Ambientes Virtuais de Aprendizagem e Modelos de Ensino a Distância ( ambas da Professora Lina Morgado).

Poderão acompanhar o meu percurso de aprendizagem nestas disciplinas através das suas respectivas tags: MICO, CAEL, AVA e MED.
Muito trabalho me espera e pretendo me esforçar para este desafio.

Saudações Juliana

Anúncios

Presença Social, Interação e Aprendizagem Online

Este Recurso Educacional Aberto(REA) denominado “Presença Social, Interação e Aprendizagem Online” e a reflexão sobre a sua produção foram concebidos por mim para a Actividade 3 da disciplina Materiais e Recursos de E-learning , do Professor José Mota, para a 4ª edição do Mestrado Pedagogia do E-learning – Universidade Aberta

A seguir poderão aceder a reflexão sobre a produção deste recurso:
Actividade3- reflexao_JulianaAntunes

Juliana Antunes


Transparency in Online Education – My LO

Know your transparency’s level!

Please make this quiz for know your preferece  in On line Education:

http://julianasantunes.comli.com/

I ask that anyone who can share your opinion about the quiz .
I would like to evaluate whether you agree with the results presented.
This activity was developed for the discipline of Pedagogical Processes E-Learning by Professor Morten Paulsen.

Thank you,  Juliana


Planificação de uma actividade educativa utilizando Recursos Educacionais Abertos

Cenário: Para planificar uma actividade educativa, como não professora e formadora em actividade, estou a idealizar um cenário, como que tal função exercesse. Portanto, incorporo nesta actividade o papel de uma professora de Licenciatura de Design.

O tema da aula é: Usabilidade – Design centrado nas pessoas

Destinatários: São alunos de licenciatura em Design, Design de Produto e Design Multimédia.

Pré-requisitos: Exclusivo a alunos de Design com conhecimentos prévios sobre concepção de produtos.

Objectivos gerais:

Compreender a importância de adaptar o design de produto ao seu público-alvo a partir da adaptação de um REA sobre o tema usabilidade no design.

Objectivos específicos:

– Identificar, seleccionar e avaliar os critérios fundamentais na criação de design de produto;

– Saber a importância da usabilidade na concepção de produtos

– Construir colectivamente pressupostos que devem ser considerados para a adaptação do design de um produto ao seu público.

Modalidade da Sessão: Blended Learning

Recursos e Materiais Pedagógicos que serão utilizados:

– Apresentação multimédia sobre a aula (componente presencial) – introdução ao tema e apresentação aos alunos do desafio da sessão.

– Computador com ligação à internet (componente presencial);

– Datashow (componente presencial);

– REA: Vídeo Product Development Process: Observation

– REA: Curso People-centred designing (Open Learning/Learning spaces)

– Wiki;

– Fórum de discussão; 

Plano da sessão:

  Acções Meio Duração Descrição
Etapa 1 Apresentação da tarefa e organização dos grupos Presencial 2h O professor apresenta o desafio aos alunos e estipula as condições de realização com a turma.A etapa 3 da actividade será realizada em grupos e o professor deve negociar com a turma a constituição dos mesmos.
Etapa 2 Visualização do Vídeo Product Development Process: Observation Presencial 2h O professor apresenta o vídeo em sala de aula e após a sua visualização, inicia uma discussão para confirmar a compreensão do filme e da mensagem.Os alunos deverão formular em conjunto as ideias chaves do filme e compreender a importância da observação no processo criação de design
Etapa 3 Produção da wiki em grupo com base no REA – People-centred designing. E-learning 5 dias O professor apresenta o REA – People-centred designing. que a turma irá traduzir e converter num novo curso que será disponibilizado numa wiki.Cada grupo irá ficar responsável pela tradução de um capitulo do curso. Os alunos poderão acrescentar no seu trabalho referências obtidas através de pesquisa externas ao curso original.

 

A Avaliação da actividade será realizada através da seguinte forma:

Etapa 1 – 20% – critérios: participação e organização.

Etapa 2 – 30% – critérios: atenção, participação, qualidade da argumentação e capacidade de síntese.

Etapa 3 – 50% – critérios: participação, organização, qualidade do texto, da argumentação e da pesquisa e cumprimento dos prazos estabelecidos.

Justificação à escolha dos REAs:

REA1: Vídeo Product Development Process: Observation http://academicearth.org/lectures/product-development-process-observation

1)   Interactividade:  Apresenta links para vídeos do mesmo autor que estão relacionados com o tema da actividade que possibilitarão aos alunos aprofundarem o assunto por iniciativa própria.

2)   Utilidade:  No contexto da actividade planificada, serve como uma introdução ao tema que será aprofundado posteriormente.

3)    Consistência: Apresenta um testemunho de um profissional conceituado da área do design de produto.

4)    Credibilidade: Foi produzido pela Universidade Stanford – EUA, que é determinante para transmitir confiança no conteúdo registado no vídeo.

5)   Qualidade: Apresenta boa qualidade de áudio e imagem.

6)   Forma de apresentar a Academic Earth aos alunos, como uma fonte de pesquisa de conteúdos para os seus trabalhos futuros.

 Adaptações:

 Incluir legenda em português no filme antes da apresentação aos alunos.

 REA2: Curso People-centred designing (Open Learning/Learning spaces) disponível em:  http://openlearn.open.ac.uk/course/view.php?id=2830

1)   Conteúdo: A qualidade da informação e dos recursos gráficos existentes no REA. Recurso criativo com vídeos e animações multimédias que acrescentam dinamismo a actividade.

2)   Consitência: Possuí uma organização coerente, que permitirá trabalhar o conteúdo dividido entre diferentes grupos de alunos.

3)   Acessibilidade: O facto do REA estar disponível para utilizadores que não estão registados no Learning Space

4)    Credibilidade: É disponibilizado pela Open University , que é determinante para transmitir confiança no conteúdo do curso.

5)   Licenciamento: A possibilidade de ser adaptado, que permitirá estar a localizar o conteúdo para a realidade portuguesa.

6)   Utilidade:  Estimular os alunos a elaborar projectos com o mesmo nível de interactividade, apresentando-lhes recursos que permitam adaptar e criar animações e vídeos que enriqueçam o trabalho.

 Adaptações:

– Tradução para português;

– Legendagem dos vídeos;

– Incorporação de elementos obtidos na pesquisa dos alunos;

– Incorporação de novos elementos multimédia.

Este trabalho foi desenvolvido para a segunda fase actividade 2  da disciplina de Materiais e Recursos para E-Learning do Professor José Mota.


Transparency in online education – AB’s

In this post I selected content page and some videos that show prospects who value transparency in education online.


Síntese do debate sobre Autenticidade e a Transparência na Rede

Síntese do debate sobre Autenticidade e a Transparência na Rede – O grupo de trabalho foi constituído por Alberto Cardoso, Juliana Antunes e Maria João Spilker ( Equipa 6) e pelo Professor António Texeira como moderador do debate.


Online Teaching Techniques

This presentation is a learning object (LO) is about OnlineTeaching teachniques developed the discipline of ppel.

The purpose since LO is to explain what they are teaching techniques and how they can be applied in distance education.
Was based on the framework devised by Professor Paulsen and is illustrated with real examples of the application of some techniques.

Click here to view the presentation:


Comentário sobre Cibercultura baseada na concepção de Pierre Lévy e 3 exemplos iustrativos da mesma.

Analisar o fenomeno da Cibercultura, sendo nós próprios actores do mesmo é como fazer uma avaliação de nosso próprio comportamento social nos dias de hoje. Foi esta a sensação que tive ao ler o livro Cibercultura de Perry Lévy e será esta análise, com uma abordagem pessoal que descreverei neste comentário.

Vivemos um momento de constante expansão do ciberespaço (ou rede), tanto ao nível tecnologico, com inovações que permitem melhores condições de utilização do universo digital, como ao nível de utilizadores, com uma crescente adesão de utilizadores. Entede-se o ciberespaço como meio de comunicação que surge da interconexão mundial de computadores, não apenas como meio físico da comunicação digital, mas também o conjunto infinito de informações que abriga e as pessoas que utilizam e alimentam este universo. (Pierre Lévy, Cibercultura, pag 17).

 As nossas atitudes, técnicas(materiais e intelectuais), práticas, modos de pensamento e valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço, é o que Lévy define por Cibercultura. Esta nova expressão cultural é universal sem totalidade, se constroí por meio da interconexão de mensagens entre si, pela interacção de quaisquer pontos do espaço físico, social e informacioal e por meio da vinculação com as comunidades virtuais, que favorece a sua capacidade de renovação permanente. (Pierre Lévy, Cibercultura, pag 17, 247)

A Cibercultura corresponde ao momento em que a nossa espécie, pela globalização económica, pelo crescimento das redes de comunicação e transportes, tende a formar uma única comunidade mundial. Esta comunidade através das sinergias, interacções e modos de cooperação flexíveis e transversais, potencializadas pela utilização do ciberespaço, promove o crescimento de sua inteligencia colectiva. Este conceito criado por Lévy, define uma inteligencia distribuída por todo lado, incessantemente valorizada, coordenada em tempo real, que resulta em mobilização efetiva das competências e cujo objectivo é a evolução e reconhecimento mútuo de todas as pessoas.

 Ao pensar na Cibercultura descrita por Lévy, penso nos exemplos de actividades que desenvolvo regularmente e que poderiam ilustrá-la. Profissionalmente, 80% do meu trabalho é realizado virtualmente, os contactos com os clientes são realizados prioriatariamente por correio electrónico, tenho colegas de trabalho afastados fisicamente cujo o contacto diário é feito por ferramentas de instant messaging. Por outro lado, utilizo as redes sociais para interagir mais activamente com familiares e amigos que não estão próximos e ainda para manter-me actualizada.

 As ferramentas de instant messaging, como o skype e o msn são mecanismos de virtualização da comunicação, tal comas conferências electrónicas, que permitem que grupos de pessoas discutam sobre assuntos especifícos e possibilitam uma comunicação directa entre todas as pessoas que estejam conectadas. Os indivíduos que se comunicam compartilham uma espécie de comunicação efêmera onde são inventados novos estilos de escrita e interacção. (Pierre Lévy, Cibercultura, pag 99).

Ao nível da linguagem adoptada nas ferramentas de mensagens instantaneas, devido ao uso de gírias ou texto abreviado para acelerar conversas e reduzir o tempo de digitação, algumas expressões utilizadas para transmitir emoções, passaram a ser mundialmente reconhecidas, como o LOL (Laugh(ing) Out Loud) e o smile 🙂 . Este fenômeno é um exemplo significativo da universalidade possibilitada pela Cibercultura.

Esta forma de comunicação, ganha cada vez mais relevância, com uma grande adesão de utilizadores, principalmente com a introdução destas ferramentas na comunicação móvel. Actualmente a maioria dos telemóveis permitem o acesso à Internet e trazem instalados as ferramentas de instant messaging para os seus utilizadores.

Outro exemplo da Cibercultura em nossas vidas, são as facturas electrónicas que podemos aderir, para de forma economicamente sustentável, colaborar com a diminuição do uso de papel e por seguinte, com a diminuição do desmatamento e presrvação do meio ambiente. Além da vantagem social que está explicita, é curioso observar como o correio electrónico está definitivamente aceito na sociedade como um meio de comunicação essencial. Há pouco tempo, um documento importante para as instituições, comas facturas aos seus Clientes, seriam impressos e enviados por correio tradicional. O correio electrónico popularizou-se e as questões de segurança, apesar de ainda serem críticas, deixaram de ser um empecilho para a utilização do e-mail como um meio de comunicação formal. Como previa Lévy, a utilização desta ferramenta de comunicação é das mais usadas no ciberespaço e tem se tornado cada vezmais multimodais ( com imagens, animações, hyperlinks), no lugar das mensagens originais que continham apenas texto.

Para concluir, queria fazer referência ao E-learning, como exemplo da Cibercultura. A Educação à distância que tem conseguido cada vez mais adeptos no lugar da educação presencial em sala de aula. Esta procura é fruto do interesse cada vez maior das pessoas pela diversificação e personalização, sendo também menos tolerantes com as formações rígidas que não correspondem as suas necessidades reais e especificidade de seu trajecto de vida.

“A grande questão da cibercultura, tanto no plano de redução de custos como no acesso a todos à educação, não é tanto a passagem do presencial à distância, nem do escrito e oral tradicionais à multimédia. É a transição de uma educação e uma formação estritamente institucionalizada ( a escola, a universidade) para uma situação de troca generalizada dos saberes, o ensino da sociedade por ela mesma, auto-sustentável, móvel e contextual das competências. Nese quadro, o papel dos saberes públicos deveria ser: garantir a todos uma formação elementar de qualidade.” (Pierre Lévy, Cibercultura, pag 172)

Espero que sim.


Online Teaching Techniques

The theme of this annotated bibliography are the online teaching techniques. In this my search and selection of articles and videos, references sought to present some pedagogical techniques used in CMC (computer mediated communication), critical analysis of them on its use in education today and tomorrow.

See below:

Paulsen, MF – The Online Report on Pedagogical Techniques for Computer-Mediated Communication

This online report on pedagogical techniques for computer-mediated communication has been prepared Morten Paulsen, as a result of his work as first speaker of ICDE-95 Online World Conference on Distance Education in 1995.
This will be possible to find reference to various pedagogical techniques that are used in adult education through distance learning. The educational applications of CMC are used to meet the demands of students, provide guidance, help solve problems of students, for transmission of tasks and assessments, facilitating the group discussion and the tutor, create rhythm of a similar study for group of students and encourage self-help among students.
The teaching technique is a means to achieve the objectives of education. The techniques are organized according to the four communication paradigms used in CMC: information retrieval, electronic mail, bulletin boards and online conferencing, and are classified according to the study of Harasim, “Collaborative Learning Horizon” 1998 that distinguishes the use of learning techniques from a single, one-to-one, one-to-many and many-to-many.

Methods: one-alone one-to-one one-to-many many-to-many
Techniques:
  • Online databases
  • Online journals
  • Online applications
  • Software libraries
  • Online interest groups
  • Interviews
  • Learning contracts
  • Apprentice
    ships
  • Internships
  • Correspond-
    ence studies
  • Lectures
  • Symposiums
  • Skits
  • Debates
  • Simulations or games
  • Role Plays
  • Case studies
  • Discussion groups
  • Transcript based assignments
  • Brainstorming
  • Delphi Techniques
  • Nominal group techniques
  • Forums
  • Project groups
Devices: online resources e-mail bulletin board computer conferencing

Collaborative Dialogue Technologies in Distance Learning – edited by M Felisa Verdejo and Stefano A. Cerri – NATO 1993

Book with a compilation of articles written by specialists in distance education, which would highlight the following chapter:
Part1 – Pedagogy and Learning Experiences – Pedagogy
1 – A Framework for Pedagogical CMC Programmes – Morten Paulsen et al.
This article presents a pedagogical enquadradamento for computer-mediated communication that includes the resources, techniques and teaching styles and the environment.
It results from a working group of authors, with the aim of establishing a pedagogical model for planning and analysis of a teaching program based on CMC. The article presents a basic guide to building a training program based on CMC. Not intended to create an ideal model, because in the opinion of the group is able to use various teaching techniques and styles in the same training program as it is possible to have different training programs based on the same techniques and teaching styles.

National Institute for Science Education – Collaborative Learning – Techniques

This institution has a session devoted to collaborative learning and presents a practical guide to the pedagogical techniques of collaboration in order to guide their teachers in their use. The guide was prepared for action in the classroom, but these techniques are capable of being applied in online education. The techniques that highlight the following are also mentioned in the article Online Education and Learning Management Systems: Global E-learning in a Scandinavian Perspective, Professor Morten Paulsen.

Group DynamicsIce breakersLectures

Through the website National Institute for Science Education found some evidence of teachers using distance education in their courses. Example of a case presented. In this article teachers report the gains achieved by the introduction of new technologies in training of their traditional disciplines.

Sheila P. Englebardt – Discussion Forums as a Learning Tool in a Graduate Course link

This article describes the experience in using the forum online at the School of Nursing at the University of North Carolina at Chapel Hill.
The aim in using this tool for computer-mediated communication was to encourage the student’s speech about the course content, improve writing, and develop skills in the use of technology.
In this report, we find the interesting description of some problems encountered in this experiment, such as: A) the use of volunteer mediators and experts in discussion, B) time in connection with the preparation of a suitable schedule that meets the needs of current and specialists and C) students’ anxiety towards the use of technology and the publication of your comments.
In my opinion the problems B and C are fairly common in this technique pedagogical CMC.

Social Learning Academy – 100+ Examples of  the Use of Social Media in Learning  – link

On this site you can find the opinion of experts in online education on pedagogical techniques of your choice, highlighting the most used by the majority. Among them: blogging, shared calendars, podcasting, rss readers, mind maps collaborative, micro bloging, sharing photos, screen, presentations and videos, social bookmarking, social networking, collaborative editing of documents and presentations, personalized start pages and environments collaboration. By exploring the views of professionals, one finds also other very interesting tools for projects of distance education and not only …

Vídeo 1

This video produced in 2000, presents a forecast of what will be on Education in 2025. Virtual classrooms, where students will be providers of knowledge that is shared by all. The truth is that we are already very close to this reality and still 15 years away from the estimated date. I think personally that we will get there before that …

Video 2

Video was directed by Stephen Downes, presents 10 things that are possible to do in 10 minutes to be a better professional e-learning. Presents a sequence of solutions that are truly useful for distance education.

Video 3

This video is a critical use of technology in education without appropriate teaching methodology and techniques, resulting in no innovation to education, only one modernization useless. I think that discussion is still relevant, despite the increase in studies and research in this area, and in this case, our master is an example.

Conclusion: My impression of this selection of references on online teaching techniques is similar to that conducted in previous research on cooperative learning: despite having learned new things with this exercise, I feel that there’s more to search for and learn about the subject, because time was limited.
I am now more mature and I think this research will evolve further in coming


Quando ficamos doentes…

Resolvi escrever um breve depoimento sobre a situação de ficarmos algum tempo ausente do curso, por motivos de doença,  própria ou de familiares, ou mesmo por um outro motivo.

Neste feriado de Páscoa apanhei uma faringite que me incapacitou  alguns dias de acompanhar normalmente o curso e isso foi para mim bastante angustiante…

Nos momentos em que conseguia entrar no gmail, ficava espantada com a quantidade de e-mails que me esperavam e pela quantidade de informação que os colegas trocavam. Senti-me a ficar para trás e isso é uma sensação difícil de superar.

Perdi, por momentos, a confiança de que fosse conseguir acompanhar o mestrado e o desafio que me propus de realizar as 4 disciplinas por semestre.  Ainda por cima, os colegas estão sempre a elevar a fasquia…

Não é nada fácil buscar a automotivação nestas horas (tão faladas no módulo de ambientação). Confesso que primeiro precisei de uma motivação externa, do meu marido e da minha amiga Maria, que estavam comigo e que para além de me darem mimos pela doença, ainda estiveram a dar força para não desanimar. Foram fundamentais para que eu recuperasse o meu optismo. Obrigada Maridão e Super amiga!

Percebi que para levar este desafio até ao fim precisarei muito do apoio deles e de todos que me cercam. Não posso reclamar, pois desde os meus pais no Brasil aos meus colegas de trabalho e colegas de curso, todos estão a dar muito apoio. Por favor continuem assim e não me abandonem!!!

Como eu não gosto nada de decepcionar as pessoas que acreditam em mim, estou cá  para  tentar recuperar o tempo perdido na última semana.

 Desculpem lá o desabafo…